O câmbio em Buenos Aires 2016

Como muitos sabem, faz alguns dias a República Argentina escolheu novo presidente. Após oito anos de mandato, a Dona Cristina Kirchner acabou entregando resignadamente o poder ao novo mandatário eleito, o opositor Maurício Macri (quem até ai era o prefeito da cidade de Buenos Aires).

Dentre as habituais mudanças que todo presidente costuma fazer no início, aparece um assunto que cobra a atenção de uma grande maioria da população: o câmbio. E nesse sentido, os turistas estrangeiros (principalmente os brasileiros) não podem ficar do lado de fora. Afinal de contas o câmbio em Buenos Aires tem sido nos últimos anos um dos principais protagonistas, ocupando um lugar de relevância quase semelhante aos mais destacados pontos turísticos portenhos.

O que mudou, o que está mudando e o que vai mudar em relação à troca da moeda? Várias coisas.

Booking.com

Até agora existiam diversas cotações na hora de trocar dólares, reais ou qualquer outra moeda estrangeira na Argentina.

As mais conhecidas pelo público brasileiro eram:

  • O câmbio oficial, que podia (e ainda pode) ser encontrado nas casas de câmbio autorizadas e os bancos da capital portenha.
  • O câmbio paralelo, que era oferecido abertamente pelos cambistas de rua, mesmo com algum policial do lado. Prática ilegal, sim, mas feita na frente de todo mundo.
  • E ainda a famosa cotação intermediária, negociada em restaurantes, comércios, passeios, espetáculos, etc.

Isso provocava bastante confusão na maioria dos turistas, experientes ou não.

Para os argentinos a lista continuava, já que, por exemplo, o cidadão que desejava comprar dólares como método de poupança (devido a pouca confiança na moeda local, o peso argentino) devia pagar o valor oficial mais um acréscimo de 20%. Sempre, é claro, que a operação fosse avaliada e aprovada pela temível AFIP (Administração Federal de Ingressos Públicos), ou para colocar de uma maneira mais simples: a Receita Federal Argentina.

O câmbio em Buenos Aires 2016

E por último as despesas feitas no exterior com cartão de crédito ou débito, que sofriam a aplicação de 35% de imposto (versão argentina do IOF brasileiro), que podia ser devolvido junto com a declaração do Imposto de Renda do ano seguinte. Tudo bem enrolado, tipicamente argentino.

O que mudou?

A primeira medida que o novo governo tomou foi a eliminação formal de um dos tipos de câmbio existentes: o paralelo. Desde a quinta feira 17 de dezembro de 2015 finalmente existe uma única cotação, a oficial. Qual o valor? Um pouquinho menos que o câmbio paralelo antes de desaparecer, hoje entre 13 e 14 pesos argentinos por dólar. Uma boa notícia para o turista brasileiro, já que com esse valor e a situação atual do dólar no Brasil, passar uns dias de férias não fica tão desfavorável assim.

Confira aqui a cotação oficial do dólar e o real brasileiro em Buenos Aires

O que está mudando?

Aos poucos, os cambistas estão abandonando as ruas do micro centro e você já não vai escutar o tempo todo aquela famosa e cansativa frase “câmbio, câmbio” enquanto circula por Florida ou Lavalle. Ainda tem, mas cada dia são menos. O câmbio em Buenos Aires vai perder alguns dos “arbolitos” (apelido dos cambistas de rua) que acabaram sendo parte da paisagem da cidade.

O que vai mudar?

Outro grande problema económico da Argentina é a inflação, bem superior que a do Brasil. Um dos objetivos do novo Ministro da Fazenda é reduzir drasticamente o alto índice de inflação, que hoje é de 30% ao ano. Se isso for possível, e com um dólar mais ou menos estável, o panorama para os turistas brasileiros poderia se apresentar menos complicado.

O câmbio em Buenos Aires

Ou seja, a partir de agora tudo vai depender da cotação do dólar no Brasil e se o real está apreciado ou não. Ai você vai decidir se viajar a Buenos Aires vale a pena ou não. Um problema a menos.

Além disso, você já não precisa se preocupar se não tiver pesos argentinos na hora da chegada: pode trocar dinheiro no aeroporto ou ainda comprar pesos no Brasil antes de viajar.

Onde trocar dinheiro em Buenos Aires em 2016:

O mais importante de tudo. Com as novas resoluções, os turistas poderão trocar normalmente seus dólares, reais, euros ou qualquer outra moeda estrangeira nos locais que foram criados precisamente para isso: as casas de câmbio e os bancos.

Consulte por espetáculos, passeios e outras atividades em Buenos Aires com os preços mais em conta do mercado.

Basta apresentar simplesmente um documento de identidade com foto (RG ou passaporte original) e ter um pouco de paciência. A burocracia não é só brasileira e para trocar dinheiro é preciso enfrentar uma fila e demorar alguns minutos frente ao balcão de alguma agência.

Câmbio em Buenos Aires, Banco Nación (Foto: Marcos Ferreira)

E o que fazer com aqueles pesos argentinos que sobraram? Posso trocá-los por reais brasileiros novamente? Sim, você pode. Mas não se esqueça da diferença entre o valor de compra e de venda, que não é o mesmo, e aí você vai perder um pouco de dinheiro. Nesse sentido, gastar os últimos trocados argentinos no Free Shop de Ezeiza ou de Aeroparque continua sendo uma solução que ainda não mudou!