Perguntas mais frequentes sobre Buenos Aires

Visitar por primeira vez uma cidade sempre gera dúvidas. Buenos Aires, um dos dez destinos internacionais mais visitados pelos brasileiros, não escapa a essa regra. O tipo de câmbio, quais os documentos de viagem necessários, a segurança na cidade e o clima portenho são só alguns dos assuntos mais buscados pelos turistas que desejam conhecer a terra do Tango.

Com o intuito de facilitar a experiência dos usuários que visitam o nosso blog, criamos uma lista com as perguntas mais frequentes sobre Buenos Aires que acostumamos receber, e as suas respostas.

Antes de planejar a sua viagem confira as nossas dicas e tire todas as suas dúvidas!

Booking.com

Que tipo de documento preciso para viajar à Argentina?

Apenas o RG, embora o Passaporte Brasileiro logicamente também seja aceito. Todos os documentos devem estar em boas condições, com uma foto atualizada e dentro do prazo de validade.

Que documentos precisa uma criança para ingressar ao território argentino?

As crianças e menores de idade que viajarem junto com ambos os pais, têm de apresentar os mesmos documentos que um adulto (RG ou Passaporte). Caso estejam viajando sem um dos pais, é obrigatório apresentar a autorização legalizada em cartório do outro genitor, conforme a Resolução nº 131/11 do Conselho Nacional de Justiça.

Posso viajar à Argentina só com a CNH (Carteira Nacional de Habilitação)?

Não, não é possível ingressar na Argentina apresentando a CNH, Carteira de Trabalho ou Carteira de Estudante. Segundo a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), os únicos documentos válidos para viajar ao exterior são o RG, passaporte, salvo-conduto ou Carteira de Matrícula Consular. Estrangeiros residentes no Brasil podem apresentar o RNE (Carteira de Identidade para estrangeiros) ou ainda o documento de identidade do seu país de origem (de preferência o passaporte).

Onde trocar dinheiro?

Até agora, o câmbio foi um dos assuntos mais comentados e consultados pelos nossos leitores. Contudo, é bom saber que a partir do 17 de dezembro de 2015 se normalizaram as operações cambiarias e agora é possível trocar dinheiro em qualquer casa de câmbio ou bancos de Buenos Aires pela cotação oficial. Confira a cotação oficial do dólar e o real brasileiro clicando aqui.

O que fica mais em conta: levar dólar ou real?

Se tiver dólares vai ser melhor, porque a moeda americana é sempre a mais valorizada. Contudo, trazer reais também é vantajoso, pois pode ser aceito em muitos lugares.

Perguntas mais frequentes sobre Buenos Aires, dinheiro

Compensa comprar pesos no Brasil?

Nem sempre. Só se você conseguir comprá-los no Brasil por um valor razoável e numa quantia suficiente para encarar pelo menos as primeiras despesas em solo portenho (traslados, lanches, gorjetas, etc.). Fora disso, é melhor trazer dólares, reais e cartões de crédito e débito. E não esqueça que todos os passeios, espetáculos e outras atividades podem ser adquiridos online em diversas empresas turísticas.

Preciso levar dinheiro em espécie ou cartão?

As duas opções são recomendáveis.

É necessário habilitar o meu cartão de crédito ou débito para poder utilizá-lo em Buenos Aires?

Sim, habilitar o cartão de crédito ou débito no seu banco antes de viajar a Buenos Aires é INDISPENSÁVEL.

Antes de voltar ao Brasil é possível trocar os pesos novamente por reais numa casa de câmbio?

É possível, sim. Só que é bom lembrar-se das diferenças entre o valor de compra e o valor de venda e aí você vai perder alguns trocados.

Vale a pena comprar dólares em Buenos Aires legalmente e pagar com reais?

Primeiro seria necessário trocar os Reais por pesos argentinos e depois, com esses pesos, comprar os dólares. Para saber se realmente vale a pena deverá ser conferida a cotação oficial do Real na Argentina, depois calcular com esse valor (em pesos) quantos dólares podem ser comprados e por último, comparar com o mesmo valor inicial em Reais, quantos dólares você poderia adquirir no Brasil. Só aí você vai determinar se essa operação toda compensa ou não.

Buenos Aires é uma cidade perigosa?

Buenos Aires tem seus perigos como muitas outras grandes cidades do mundo (especialmente da América do Sul). Sem ser considerada violenta, é necessário tomar certos cuidados, não muito diferentes daqueles que precisamos observar em algumas cidades importantes do Brasil.

Perguntas mais frequentes sobre Buenos Aires, segurança

Fazer o papel de turista, levando a câmera de fotos descontraidamente, correntes de ouro, ficar batendo fotos e selfies por tudo quanto é lugar com um smartphone de última geração ou qualquer outro gesto exagerado que possa chamar à atenção dos possíveis bandidos (ou oportunistas) deveria ser evitado, ou pelo menos feito com cautela.

O metrô é um dos locais prediletos dos batedores de carteira, principalmente nos horários de maior movimento. Cuide seus pertences e evite subir em vagões que estejam lotados.

Os malandros mais experientes com certeza vão perceber quando alguém é turista ou não, mas na hora de tentar um roubo não vão perguntar a sua nacionalidade ou país de procedência: vão aproveitar um instante de moleza por parte da vítima e depois fugir. Embora ninguém esteja livre de sofrer um roubo ou arrastão, com um pouco de precaução e bom senso é possível evitar essas situações que podem estragar de vez as suas férias. Não seja o próximo da lista.

É seguro andar de táxi pela cidade?

Andar de táxi por Buenos Aires também requer certas precauções por parte dos turistas (e até dos próprios portenhos). A malandragem de alguns motoristas inescrupulosos pode causar uma viagem indesejada pela cidade e ainda ter que pagar uma nota preta por isso.

Ter uma noção da distância que vai ser percorrida ajuda bastante (nesse sentido o Google Maps é uma ferramenta muito útil). Mas se você não dispõe de tempo para isso, o mais seguro é utilizar os Radio Táxi (aqueles que exibem o número de telefone da empresa), ou contratar um remise, que pertencem a agências particulares e buscam o passageiro no hotel ou lugar combinado.

O velho truque das notas falsas ainda está vigente, embora cada vez menos por causa da inflação. Tente levar dinheiro trocado para poder pagar o valor certinho da viagem e evite pagar com cédulas de 100 pesos, que podem ser trocadas pelo motorista por notas falsas e devolvidas.

Que outros meios de transporte posso utilizar?

Os meios de transporte mais utilizados em Buenos Aires são o ônibus, metrô e trem. São mais baratos que no Brasil e as passagens podem ser pagas em dinheiro ou com o cartão SUBE.

Como conseguir o cartão SUBE?

O cartão SUBE (sistema único de bilhete eletrônico) pode ser adquirido após o preenchimento de um formulário online no site oficial ou em lojas e comércios autorizados. No caso de um turista estrangeiro pode parecer meio burocrático, principalmente se for solicitado o número de um documento de identidade argentino. Também pode ser comprado em muitos dos milhares de quiosques espalhados pela cidade. Essa é a melhor opção.

Perguntas mais frequentes sobre Buenos Aires, SUBE

Como o jeitinho não é só brasileiro acaba sendo a mesma coisa que comprar no Brasil um chip liberado para um celular: já está registrado e pronto para ser utilizado. Basta inserir créditos. O cartão é uma maneira muito prática e econômica de viajar. Tendo saldo suficiente, com um único cartão podem viajar várias pessoas ao mesmo tempo.

Crianças podem ir num show de tango?

Podem, já que o conteúdo dos espetáculos é considerado apto para todas as idades. As condições podem variar de uma casa de tangos para outra, mas geralmente crianças de até dois anos não pagam ingresso e aquelas entre três e oito anos só pagam o 50%. Consulte por passeios e atividades em Buenos Aires com os melhores preços do mercado.

O que eu posso trazer dos Free Shops portenhos?

Buenos Aires possui dois Free Shops localizados nos seus aeroportos principais: Ezeiza e o Aeroparque Jorge Newbery. Neles você vai encontrar uma enorme quantidade de produtos livres de impostos e por preços, na maioria das vezes, inferiores que aqueles encontrados nas prateleiras e vitrines das lojas brasileiras.

Como regra geral, é permitido ingressar ao Brasil bens adquiridos nos Free Shops estrangeiros por um valor de até USD 500,00 por pessoa. Cada passageiro pode trazer até 12 litros de bebidas alcoólicas e 1 pacote de cigarros.  Para maiores informações recomendamos consultar o site oficial da Receita Federal.

Como funciona o Tax Free?

O Tax Free é um sistema criado pela AFIP e permite a devolução do imposto IVA (calculado em 21% do valor de uma compra). Funciona unicamente para turistas que tenham adquirido bens materiais produzidos na Argentina, com valores a partir de 70 pesos. Mas não todas as lojas portenhas estão incluídas, só aquelas com o adesivo do Tax Free nas vitrines ou no seu interior.

O interessado deverá receber um formulário preenchido pelo comerciante, que será entregue nos guichês da AFIP (localizados nos Aeroportos, Rodoviária ou Terminal de Buquebús) antes de sair do país para poder receber a devolução.

Como é Buenos Aires durante o inverno?

O inverno começa no dia 21 de junho e acaba no 21 de setembro. O mês mais frio é julho, com temperaturas muito baixas (mínima beirando os 0º e a máxima ao redor dos 10º) e trata-se da época menos chuvosa do ano. O mês com ventos mais fortes é Agosto. Saiba mais sobre o inverno em Buenos Aires.

Como é Buenos Aires durante o verão?

O verão começa no dia 21 de dezembro e acaba no 21 de março. O clima é quente e úmido e as chuvas são bem habituais. A temperatura máxima pode ultrapassar facilmente os 40º e a sensação térmica ser ainda maior. A temperatura mínima geralmente é de 18 ou 20º.

Qual a melhor região para se hospedar?

Depende bastante do gosto pessoal e as necessidades de cada turista. O micro centro tem a vantagem de ficar bem próximo de muitos dos principais pontos turísticos de Buenos Aires. Tem ao mesmo tempo a desvantagem de ser barulhento e tumultuado durante o dia e inseguro à noite. Nesse sentido, o aconchegante bairro da Recoleta pode ser uma opção mais interessante, com uma proposta de hospedagem de preços variados.

Os bairros de Palermo e Villa Crespo são mais tranquilos, mas pelo fato de estarem mais longe do centro, quem viaja com crianças pequenas pode achar neles um fator desfavorável por causa dos traslados.

Não conseguiu achar aquilo que estava procurando? Não se preocupe. Este artigo será frequentemente atualizado, então envie a sua pergunta, sugestão ou comentário e tentaremos responder as suas dúvidas. E se já visitou Buenos Aires, não hesite em compartilhar conosco e com outros leitores a sua experiência!

Post atualizado em 21/12/2015.