Cemitério da Recoleta, vale a pena ou não?

Tem gente que gosta e tem gente que não. Mas, com certeza, o Cemitério da Recoleta dificilmente possa ser ignorado. Na verdade, visitar um cemitério (seja qual for) pode parecer um programa meio bizarro. Provavelmente qualquer cidade do mundo consiga ter muito mais para oferecer aos seus visitantes.

Só que esse não seria o caso do nosso querido Cemitério da Recoleta. Por algum motivo não muito claro, ele está sempre no topo da lista de atrações de quem percorre Buenos Aires. O que pode ter de atraente uma enorme coleção de túmulos construídos há quase três séculos? Para começar, muita coisa: a história por trás do célebre cemitério acaba criando uma mística que poucos conseguem resistir…

O atual cemitério foi construído em 1732 e foi, originariamente, um convento. Até que em 1882 virou cemitério, com o intuito inicial de receber os restos dos membros da elite portenha. Mesmo sendo considerado um cemitério público, era o lugar escolhido pela aristocracia para despedir aos seus falecidos membros. Na atualidade, é conhecido como um dos três cemitérios mais renomados do mundo. Vamos entrar?

Booking.com

Moradores ilustres

Desde a entrada já dá para perceber que estamos num lugar imponente, com seus quase 5 mil túmulos. Conforme a gente vai andando é possível ir descobrindo os atrativos arquitetônicos do campo-santo. É claro que a vista combina alguns túmulos bem ajeitados com outros que apresentam sinais de abandono. Será que o Cemitério da Recoleta não é para qualquer um? Pode ser…

Cemitério da Recoleta 1

A sua moradora mais ilustre é, sem dúvida nenhuma, a Evita Duarte de Perón. Vítima da leucemia, faleceu em 1952 com apenas 33 anos de idade. Foi nada menos que a esposa do mítico presidente Juan Domingo Perón e apelidada a Embandeirada dos Pobres. Fique tranquilo/a que identificar o túmulo da família Duarte não resulta muito difícil. Pelo contrário, onde você visualizar um monte de gente reunida, aí descansam os restos da antiga primeira dama argentina!

Cemitério da Recoleta 4 (Foto: tjabljan)

Mas aí não acaba tudo. Pelo contrário, outras figuras relevantes da política, da ciência e da cultura nacional podem ser encontradas no Cemitério da Recoleta dormindo o sono eterno. Alguns exemplos, por favor? Mais de uma vintena de presidentes, como Bartolomé Mitre, Domingo Sarmiento, Julio Roca e Raúl Alfonsín, só por mencionar alguns. Também o Prêmio Nobel Luis Federico Leloir e os escritores Adolfo Bioy Casares e as irmãs Victoria e Silvina Ocampo.

Cemitério da Recoleta 2

E por último, o resto dos membros mais distinguidos da alta sociedade portenha completa a lista. Sim, as famílias argentinas mais tradicionais também têm o seu cantinho garantido na Recoleta.

Como chegar – horários

Resulta praticamente impossível não achar o Cemitério da Recoleta: você vai passar pela frente de um jeito ou de outro. Encontra-se na rua Junín 1760, ao lado da popular Igreja del Pilar e em frente à praça do mesmo nome. Ainda descendo pela mesma rua Junín você vai ver o Centro Cultural Recoleta e, finalmente, o Passeio del Pilar. Ou seja, está no meio da Recoleta!

Cemitério da Recoleta 3

Os ônibus das linhas 10, 17, 37, 38, 41, 59, 60, 61, 62, 67, 92, 93, 95, 101, 102, 108, 118, 124 e 130 chegam bem pertinho desde diversos pontos da cidade. Outra opção é o metrô da Linha H: tem que descer na estação Las Heras e caminhar cinco quadras.

O que fazer na Recoleta, o ponto mais top de Buenos Aires 

Consulte por passeios, traslados, shows de tango e outras atividades turísticas em Buenos Aires com os melhores preços do mercado!

Para visitá-lo basta ir das 07h às 17.30h, lembrando que a entrada é gratuita. Felizmente para alguns… o Cemitério não pode ser visitado à noite! Contudo, o Cemitério da Recoleta não deixa de ser um dos símbolos mais emblemáticos e prestigiados de Buenos Aires.