10 dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires

A Argentina e o Brasil são países vizinhos e compartilham muitas semelhanças. Porém, também existem numerosas diferenças. Cultura, língua, tradições, clima e comportamento são só alguns dos itens que geram incerteza num grande número de turistas. Então, quais são as principais dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires? Veja a seguir o nosso breve questionário com as perguntas mais frequentes… e as suas respostas.

1 – Os portenhos não gostam dos brasileiros?

Mais do que uma dúvida isso é mesmo um mito. A rivalidade entre ambos os países é mais um assunto de futebol do que outra coisa. De fato, segundo os entendidos, esse antagonismo começou durante a Copa do Mundo de 1978, justamente na Argentina. O Maradona ainda não estava na seleção hermana e foi muito antes do Messi e o Neymar nascerem. Foi depois daquele 6 a 0 suspeito que a Argentina deu no Peru e deixou o Brasil fora das semifinais.

Agora bem, o povo argentino (especialmente o portenho) sente um carinho muito grande pelos brasileiros, por incrível que pareça. No final das contas, 75% do turismo que a capital argentina recebe atualmente é brasileiro. Para qualquer portenho o Brasil é sinónimo de praia, tempo bom, mulheres bonitas, alegria e samba. Tirando o assunto do bendito futebol da conversa… está tudo bem!

Booking.com

Às vezes é preciso deixar de lado alguns preconceitos, habitualmente exacerbados por certos locutores de TV e ir em frente. Em resumo, tirando o futebol, os portenhos gostam (bastante) do público brasileiro.

10 dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires, futebol (Foto: nazionalecalcio)

2 –  Buenos Aires é uma cidade perigosa?

Não é uma cidade da Suíça, mas também você não está no meio do Bronx de Nova Iorque. Estamos na América do Sul, numa cidade grande e os cuidados que devemos tomar são bastante óbvios. Os lugares mais turísticos (Centro, La Boca, San Telmo) são o alvo escolhido pelos batedores de carteira e outros malandros. Mesma coisa no metrô em horário de pico: cuidado com os pertences. Sair com uma metralhadora na mão não é necessário; prestar atenção e tomar cuidado, sim.

Rua deserta de Buenos Aires

Sempre falamos da diferença que existe, por exemplo, no micro centro entre o dia e a noite. No horário comercial vai estar muito movimentado, mas depois do expediente as ruas ficam mais vazias e escuras. Porém, nos últimos tempos a cidade ficou mais limpa, melhor iluminada e com menos indigentes (principalmente à noite). Mas mesmo assim sempre é bom tomar cuidado e não cair no excesso de confiança. Um instante de distração pode estragar de vez as suas férias.

3 –  Não dá para entender o espanhol?

Português e espanhol não é a mesma coisa, mas também não diferem tanto assim. No começo custa um pouco entender e se adaptar ao sotaque e as novas palavras. Só é necessário ficar atento porque tem palavras muito semelhantes (ou iguais), mas com significados bem diferentes! No seguinte link você pode achar alguns exemplos bastante úteis…

Confira 6 dicas imperdíveis para não passar perrengue em Buenos Aires.

Além disso, cada vez tem mais pessoas em Buenos Aires falando, ou tentando falar português. Você pode ver isso diariamente nas ruas do Micro Centro. É na verdade uma mão na roda, principalmente para quem tem pouca ou nenhuma experiência com a língua espanhola. Moral da história: não vale a pena se apavorar porque realmente é possível entender o espanhol.

4 – Que moeda levar e onde trocar dinheiro?

Uma das maiores dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires é justamente essa: que moeda levar. Aqui no blog sempre explicamos que a moeda estrangeira mais avaliada na terra do tango é o dólar americano. Trata-se de uma questão quase cultural… os portenhos adoram converter tudo em dólares, sobretudo os valores dos imóveis.

Isso não quer dizer que outras moedas não sejam apreciadas e nesse sentido o real brasileiro corre com certa vantagem. Então, se você tem dólares pode trazê-los e trocá-los nas casas de câmbio portenhas. Se não tiver, não vale a pena sair correndo feito doido pelas agências de câmbio do Brasil todo. O que fazer então? Traga reais que também são bem recebidos pelos argentinos e em muitos casos você pode pagar diretamente com eles.

10 dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires, dinheiro

Por último, comprar pesos argentinos no Brasil não é das opções mais convenientes já que a cotação costuma ser desfavorável. Se for preciso compre apenas uma quantia bem pequena para dar conta somente dos gastos iniciais.

5 – Buenos Aires é uma cidade cara?

Infelizmente, sim. Dependendo da cidade onde você mora no Brasil a diferença vai se sentir em maior ou menor escala. Mas dá para perceber, principalmente na hora de pagar. A época dourada quando tudo em Buenos Aires era mais barato já acabou faz tempo. Acontece que a inflação na Argentina continua sendo elevada, bem por cima da brasileira. Itens como roupa, calçado, comida, restaurantes e eletrônicos podem ter uma diferença significativa. Em outros casos, os preços estão um pouco mais equiparados.

A hospedagem pelo menos oferece o reembolso do IVA (21%) e isso pode ajudar no orçamento. Logo, é questão de caminhar bastante, conferir preços e pechinchar (sempre que puder) antes de fazer compras em Buenos Aires.

6 – O transporte público vale a pena ou não?

O transporte público em Buenos Aires vale muito a pena. Funciona decentemente, tem muitas opções e por cima de tudo, não é caro. Com um conhecimento básico da rede de metrô, por exemplo, você consegue atravessar a cidade em poucos minutos. As linhas de ônibus são muitas e passa um colectivo atrás do outro. Não esqueça de comprar o cartão SUBE e colocar créditos: não é possível pagar a passagem em dinheiro no ônibus. Onde comprar o cartão? Em muitos quiosques da cidade ou ainda nas lotéricas e até em alguns comércios.

10 dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires, transporte

Os trens que saem da Estação Retiro também oferecem bons serviços e uma pontualidade aceitável. Talvez seja o meio de transporte menos utilizado pelo turista brasileiro, mas se você pensa dar um pulinho no Tigre ou conhecer o Tren de la Costa então vai precisar pegar o trem. Vagões com ar condicionado, limpeza e bastante segurança são algumas das características mais visíveis durante os últimos tempos.

7 – Só tem churrasco?

Ninguém nega que Buenos Aires é a terra da carne e do bom churrasco. É de longe o prato típico do país e todo argentino sente orgulho disso. Agora, desconhecer que a culinária local tem outros matizes pode resultar um grande erro. Nos últimos anos, e por diferentes motivos, a gastronomia da Argentina vem trazendo à tona outras alternativas.

Os dois principais polos gastronômicos da cidade, Palermo Soho e Puerto Madero, são uma prova disso. Neles convivem, numa boa, restaurantes de propostas bem dissimiles e que vão além do tradicional bife de chorizo. O que achar? Cozinha gourmet, cozinha fusão, comida asiática, comida vegetariana e vegana, restaurantes a portas fechadas e muito mais.

O que fazer em Palermo Soho

O que fazer em Puerto Madero

Não gosta de carne? Quer experimentar outros pratos? Sem problemas. Buenos Aires tem opções para todos os gostos.

8 –  O atendimento no Brasil é melhor?

Um dos pontos fracos que podem ser achados em Buenos Aires é o atendimento. O portenho, mesmo se esforçando, não tem aquele jeito tão comum no Brasil. É difícil saber o porquê. Pode vir, quem sabe, da época onde os bares e restaurantes eram atendidos por espanhóis e as pizzarias por italianos. Nada contra (sinto o maior aprecio por essas duas coletividades), mas nessa época o atendimento era zero. Eu lembro bem disso desde que era criança.

Contudo, e para sermos justos, a nova geração dedicada ao turismo tem evoluído consideravelmente nesse quesito. O atendimento em geral é uma das grandes dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires. Aos poucos vai se gerando uma consciência de que o turista deve (e merece) ser bem atendido. Um turista bem atendido volta para casa contente e, quem sabe, regressa no futuro. Mas é preciso ter um pouco de paciência porque as diferenças ainda existem.

9 – O café da manhã nos hotéis é diferente?

Várias vezes temos mencionado o assunto aqui no blog: o café da manhã nos hotéis. Se você espera encontrar em qualquer hotel de Buenos Aires aquela fartura característica dos hotéis brasileiros, pode se dar mal. Tem um pouquinho de tudo, sim, mas não nas mesmas proporções e variedades que no Brasil.

10 dúvidas que os brasileiros têm sobre Buenos Aires, café da manhã

Calma… você irá encontrar café, chá, sucos naturais, iogurte, pães, frios, doces, croissants, cereais, bolos e mais um pouco também! Só que, por exemplo, a diversidade de frutas não é igual que no Brasil. Pode ser por costume ou ainda por questões climáticas e geográficas, mas acaba sendo assim. Então, é bem provável que após o terceiro ou quarto dia o café da manhã acabe-se tornando pouco variado.

10 – Realmente faz frio no inverno?

Tirando as ocasionais sapecadas que ultimamente o aquecimento global ocasiona no clima mundial, o inverno em Buenos Aires é frio. Frio mesmo. O último inverno até que teve misericórdia e deu uma pequena trégua, mas esse frio de lascar não ficou ausente. Assim, nos meses mais frios do ano (junho e julho) a temperatura mínima chega aos 0°. E se ventar um pouco a sensação térmica diminui ainda mais!

Consulte por passeios, traslados, shows de tango e outras atividades turísticas em Buenos Aires com os melhores preços do mercado!

Entretanto, esse frio todo não tira o atrativo da cidade; basta levar agasalhos suficientes na mala. Depois disso, é só vestir várias camadas de roupa antes de sair e estamos prontos para desafiar o inverno portenho. Para conhecer maiores detalhes e sugestões recomendamos dar uma lida no post Como é o inverno em Buenos Aires.